sábado, 19 de janeiro de 2019

1º Circuito de Sº Huberto Inter-Clubes de Entre Douro e Minho


Da conjugação de vontades de alguns amantes do Santo Huberto da região de entre Douro e Minho, em conjunto com várias associações de caçadores, nasce o 1º Circuito de Santo Huberto Inter-Clubes de Entre Douro e Minho. 
Pretendem os organizadores dinamizar as provas de Santo Huberto numa região onde já tiveram grande tradição e muitos adeptos, enquanto as associações e os clubes sensibilizam os seus associados para importância do espírito desportivo e as regras de segurança na caça. 

A adesão por parte das direcções dos clubes excedeu as expectativas e é com grato prazer que vejo alguns dos presidentes serem concorrentes que se iniciaram o ano passado na modalidade durante as provas que foram feitas para iniciados. Afinal valeu a pena.
O calendário será divulgado brevemente, assim como o respectivo regulamento. Pretende-se que sejam feitas uma média de duas provas por mês, a começar já em Março. O presidente da FCEDM esteve presente e manifestou o seu apoio à organização.

As provas do circuito são abertas a todos os que quiserem participar, independentemente da sua área  de residência e de serem, ou não, sócios dos clubes co-organidores.
Paralelamente, em algumas das provas, haverá uma série de formação para iniciados, onde estes serão acompanhados por um juiz e um concorrente mais experiente e com um objectivo didáctico.  

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Blogue Santo Huberto, 2009-2019

 


Recordando o 1º Dia, já passaram dez anos desde que iniciei este blogue e durante os quais tentei partilhar o que ia acontecendo no Santo Huberto em Portugal. Ao longo de dez anos anunciei provas, divulguei resultados e manifestei opiniões pessoais. O meu objectivo foi sempre o de promover, defender, dinamizar e melhorar a qualidade da modalidade. Fui sempre bem sucedido? Talvez não, mas não foi por não ter tentado, nem ter sido sempre intelectualmente honesto assumindo publicamente as minhas opiniões. Só por isso, quanto mais não seja, estou de consciência tranquila.

No ano passado, e na minha humilde perspectiva, foram-se acumulando vários problemas sobre os quais já fiz referência noutras publicações. Terá sido a gota de água. Foi, inclusive, motivo suficiente para ter deixado de actualizar este blogue.
Tentei sensibilizar as estruturas oficiais que tutelam o Santo Huberto em Portugal, mas, aparentemente, não resultou. Pelos vistos está tudo bem e não será preciso alterar nada. Respeito essa atitude, porém recuso-me a pactuar com ela. Quem cala consente e eu nunca me contentei em apenas gerir os meus silêncios.

Durante os meses em que este blogue esteve inactivo fui recebendo muitas mensagens de apoio e pedidos para o reactivar. Foram muitos aqueles a solicitar que voltasse a escrever, de anunciar as provas e divulgar os resultados. A todos esses quero dizer que muito me custou não os ter satisfeito, pois é para esses que este espaço existe e são esses que (para mim), fazem a diferença dentro da modalidade.

Este ano de 2019 retomarei o projecto inicial do Blogue Santo Huberto, contudo não anunciarei as provas oficiais realizadas no âmbito dos campeonatos nacionais e regionais organizados pelas federações, nem os seus resultados. As federações terão os seus canais próprios para o efeito e, por isso, não precisarão deste meio de divulgação.
Assim, irei dar voz apenas a quem não a tem. Os clubes, as associações, ou simplesmente os aficionados que queiram organizar uma prova, podem contar comigo. Divulgarei o evento, ajudarei na feitura dos cartazes/programas e até logisticamente, dentro das minhas possibilidades claro. Podem-me contactar para o efeito. Estarei disponível para ajudar em tudo que puder.

Desejo a todos um bom Ano de 2019, cheio de saúde e alegrias santo-hubertistas. 
Um abraço
Rui Bonito

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Status quo



Após uma longa reflexão e na ausência de feedback por parte daqueles a quem tentei dar voz e para quem este espaço foi criado, decidi suspender as actualizações e as publicações do Blogue Santo Huberto.

Costuma-se dizer que "quem está mal muda-se" e como, aparentemente, só eu é que estou "mal", até que haja algum motivo que contrarie a minha percepção da forma como a modalidade irá ser conduzida num futuro próximo, este blogue manter-se-à apenas como arquivo do que foi acontecendo nos últimos 10 anos em Portugal.



Agradeço a todos aqueles que, ao longo desse tempo, me prestigiaram com a sua visita e tiveram a paciência de ler os meus textos.
Saudações santo-hubertistas e, como diz o outro, a gente vê-se por aí.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Santo Huberto - RX da modalidade em Portugal




Ao longo da sua história, o Santo Huberto sempre foi tutelado pelas federações de caça. Nem sempre bem tratado, muitas vezes usado como arma de arremesso em guerras que não deveriam ser suas, lá se foi arrastando ao longo dos anos até ao presente momento.
Sei que esta minha publicação não vai agradar a muito boa gente. Mexer com interesses instalados e nos limites de certos "quintalinhos", vai fazer com que muitos se sintam ameaçados. Mas, será que a modalidade merece continuar paulatinamente a caminho do marasmo total?

Existem duas OSC do 1º nível que organizam, cada uma, um Campeonato Nacional. Qualquer leigo na matéria, mas que tenha algum bom censo desportivo, achará estranho que num país como o nosso (ou em qualquer outro), existam dois campeonatos nacionais. Um país tão pequeno e com uma dúzia de praticantes, consegue ter dois campeões nacionais da mesma modalidade. Mais inexplicável será se constatarmos que os concorrentes são sempre os mesmos, seja qual for a organização.

A Confederação Nacional dos Caçadores Portugueses (CNCP), é uma das entidades que organiza um dos Campeonatos Nacionais. Tem a seu favor conseguir movimentar e organizar um vasto calendário de provas ao longo do ano, levadas a efeito pelas federações regionais suas associadas. Cada uma organiza o seu Campeonato Regional, servindo este para seleccionar os três representantes dessa federação na final nacional. Em média é responsável directamente, ou indirectamente, pela organização de 25 provas anuais, distribuídas por todo o território continental e ilhas. É, sem duvida, um grande motor de promoção da modalidade.
Na minha modesta opinião (e vale o que vale), o actual modelo/regulamento do campeonato da CNCP está desajustado da presente realidade, uma vez que das nove federações originais que a compunham, apenas seis estão activas em termos de Santo Huberto e, no caso das regiões autónomas, só este ano conseguiram organizar provas de selecção na Madeira.
Acho que seria bom repensar o formato do campeonato e organizá-lo, na sua fase regional, em termos de regiões geográficas, onde, em cada uma delas, essa organização ficaria a cargo das federações inseridas na sua área de influência. Teríamos, assim, Portugal continental dividido em três regiões, norte, centro e sul, com mais duas das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. A formula de apuramento teria de ser ajustada ao numero de concorrentes, ficando assegurado que na Final Nacional estariam presentes um máximo da 30 finalistas. A meu ver haveria uma maior representatividade nacional e uma melhor equidade de acesso à final.

A Federação Portuguesa de Caça (FENCAÇA), é quem tem vindo a seleccionar os representantes portugueses para o Campeonato do Mundo e, talvez por isso, é aquela que menos provas organiza ao longo do ano. Também na minha modesta opinião, acho que essa exclusividade (que ainda ninguém me conseguiu explicar o porquê), leva a que esteja "confortavelmente" sentada à sombra, sabendo de antemão que quem tiver aspirações a ir ao CM, terá de passar por ela.
Como em tudo na vida, a exclusividade leva ao pouco investimento, uma vez que os "clientes" estão certos. Para referência, a Fencaça aqui no continente organiza apenas 4 provas de apuramento. Para uma entidade que tem tão alta responsabilidade, exigia-se muito mais. Tanto em quantidade, como em qualidade. Deveria servir para reflexão dos seus responsáveis que, há alguns anos atrás eram seleccionados 1 em cada 5 concorrentes por região, sendo que agora já é 1 por cada 3... Sou do tempo em que as fases de apuramento para o CN eram feitas por regiões cinegéticas; movimentava um grande numero de participantes e elevava o seu nível de qualidade.
Grande "poder" deve ser acompanhado de grande responsabilidade. Talvez a Fencaça se devesse empenhar mais com o Santo Huberto e não se limitasse apenas a cumprir um calendário básico.

Por último, mas não menos importante, devo reflectir sobre o papel dos concorrentes. Acho que é pacífico se disser que sem eles nada disto faz sentido. Termino, por isso, com uma pergunta: - Porque motivo nunca são ouvidos pelas entidades supracitadas? Ou, se são, é sempre a título individual e particular, o que apenas se conjuga para, eventualmente, poder servir outros interesses.

Correndo o risco de ser considerado inconveniente ou persona non grata, este é "o meu" RX do estado do Santo Huberto em Portugal. Como disse anteriormente, sendo a minha opinião pessoal, vale o que vale, mas uma coisa é certa, enquanto continuarmos todos calados, fazendo de conta que está tudo bem, nunca conseguiremos alterar nada.

Saudações Santo-hubertistas
Rui Bonito

Cº Regional da FCPBL 2018, 3ª contagem - Resultados

"Decorreu no dia 21 de Julho, a 3ª contagem para o Campeonato Regional da Federação de Caça e Pesca da Beira Litoral, em terrenos geridos pelo Clube de Caçadores da Moita, Anadia.
A concentração foi efetuada nas instalações deste Clube. Presentes dezassete conjuntos sendo que nove disputaram o apuramento para o Campeonato Nacional da CNCP e oito participantes, divididos em dois campos e avaliados pelos Juízes Joaquim Rosa, Paula Estrelo e Sandra Esteves.

Após um excelente pequeno almoço, seguiu-se para os campos que eram de superior qualidade para a prática da modalidade.
Seguiu-se o almoço, que fazendo bandeira da região, foi de leitão assado à moda de Anadia regado com espumante típico desta área. De salientar a simpatia e o bem receber proporcionado por todos os elementos deste Clube.
Após o almoço, tiveram lugar os agradecimentos a todos os que tornaram possível este evento e o momento em que o Presidente do Clube de Caçadores da Moita-Anadia, distribuiu a todos os presentes uma lembrança referente ao evento. Também o Presidente da FCPBL, Carlos Rodrigues entregou lembranças alusivas ao evento ao Presidente do Clube, Juízes e postores.
 

Foram apresentadas pelos Juízes da prova as classificações relativas a esta contagem ficando assim ordenadas:
 



1º Luís Figueiredo
2º Fernando Neves
3º João Pereira,
4º António Matias
 






O troféu de melhor cão (cão com melhor pontuação) foi atribuído a Mónica de Van Furt, propriedade de Luís Figueiredo.



A Classificação final da FCPBL ficou assim ordenada:
1º Classificado António Matias,
2º Classificado Sérgio Fernandes,
3º Classificado Fernando Neves."





(SIC: página do facebook da FCPBL)