quarta-feira, 6 de maio de 2009

Politicamente (in)correcto - 5 (Juízes)

Juízes, são como os concorrentes: há os bons, os maus e os assim assim.
Acredito que a experiência fará um bom juiz. Isso e: conhecimento, seriedade, isenção e imparcialidade. Como os concorrentes, haverá aqueles que têm mais "jeito para a coisa" e os outros, aqueles que por mais experiência que venham a ter, nunca serão grandes.
Estou à vontade a falar disto, pois tenho consciência que não sou um grande concorrente, no entanto tenho olhos, cérebro e acima de tudo vontade de evoluir.
Não se pense que julgar é uma tarefa fácil. Ainda mais quando feita na base do voluntariado, sem remuneração e por vezes em condições adversas. Não invejo o papel dos juízes, nem me quero no seu lugar. Dou valor a quem se dedica a esta forma de participar nas provas de S.Huberto e não acredito (até prova em contrário), que alguém prejudique, ou beneficie, outrem intencionalmente. Todos temos bons e maus momentos e seria bom que aceitasse-mos os maus momentos dos outros como aceitamos os nossos.
Como concorrente gosto de ter pela frente juízes simpáticos, que não inibam o concorrente e acima de tudo que tenham uma postura didáctica. É essa postura que julgo ser importante. Sabendo aquilo que fizemos mal, podemos corrigir e melhorar a nossas prestações futuras.
Penso, sinceramente, que um Bom juiz pode melhorar um mau concorrente, através de uma avaliação critica construtiva, didáctica e honesta. Para além de julgar e avaliar, talvez o papel mais importante de um juiz seja o de formar e contribuir assim para o aumento da qualidade das provas de Santo Huberto.