segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Politicamente (in)correcto - 14 (Campeonato do Mundo)

Hoje, ao escrever estas linhas, sinto-me importante. Há dois dias um português sagrou-se campeão do mundo de uma modalidade que eu pratico e vivo.
Este facto, só por si, talvez não justificasse tanta “vaidade” (até porque não é a primeira vez), mas há aliado a este uma verdade que é inegável: “É possível”!
Esta vitória, no meu entender, deve-se a vários factores, personagens e entidades:
- Em primeiro lugar ao concorrente, completamente amador, um caçador que gosta do Santo Huberto, um homem que com trabalho, humildade e honestidade, conseguiu chegar ao topo deste nosso desporto. Assim se desmitificam certos tabus que teimam em imperar no meio, e legitimam novos alentos para cada um de nós.
- Em segundo lugar aqueles que investiram o seu tempo e trabalho nas organizações que antecederam o Mundial e que, prova após prova, através das suas organizações, tornaram possível que Portugal estivesse representado ao mais alto nível na final.
- Em terceiro às entidades, CNCP e FENCAÇA, que finalmente chegaram à conclusão que as divisões apenas interessam e beneficiam os nossos adversários.
Resta-me renovar os parabéns a toda a organização, concorrentes e demais intervenientes que tornaram possível, mais uma vez, escrever em letras de ouro o nome de Portugal nas páginas da história desta modalidade.