quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Politicamente (in)correcto - 16 (Campeonatos Regionais 2010)

Mais um ano e estão aí os Campeonatos Regionais. Este ano a margem de erro para eventuais falhas é mais reduzida. E porquê? Porque já não há indefinições quanto à dinâmica e importância dos Regionais tendo como objectivo a final da Taça.
Assim sendo, cumpram-se os Regulamentos!
Poderá parecer estranho que se exija alguma coisa que parece óbvia, contudo (más) experiências anteriores levam-me a escrever este post.
O regulamento da prova é claro, conciso e inequívoco. Francamente sempre me custou bastante assistir a atropelos e manobras de bastidores que mais não são do que "chico espertices" à portuguesa.
Correndo o risco de ser recorrente, permito-me chamar aqui à atenção para alguns factores irrefutáveis:

Artigo 2º
PARTICIPANTES

Podem participar na Taça Confederação (CNCP) de Santo Huberto todos os caçadores que estejam associados em qualquer Clube/Associação, filiado numa qualquer Federação que seja membro da Confederação Nacional dos Caçadores Portugueses, desde que naturais ou residentes na respectiva área de influência da Federação, ou que se tenham associado há pelo menos dois anos

Artigo 3º
ORGÂNICA DO CAMPEONATO

2ª Fase: fase regional – Esta fase é organizada pelas respectivas Federações Regionais e destina-se a apurar os representantes de cada Federação na 3ª fase.
A 2ª fase deverá contemplar um mínimo de duas provas.
Nesta fase serão seleccionados os três representantes da Federação Regional, na 3ª fase.
Nesta fase podem participar todos os caçadores apurados na fase anterior e que se façam acompanhar de cão de parar, independentemente de este estar inscrito em qualquer livro de origens, oficialmente reconhecido.

Apesar de não ser mencionado explicitamente, também será lógico que cada concorrente, apesar de poder estar habilitado a participar em mais de que um campeonato, deverá optar apenas por um. Eu, por exemplo, estou habilitado pelos regulamentos a fazer três campeonatos, contudo e apesar de participar em todos, apenas fiz como concorrente o da FCEDM.
Assim e para que não surjam situações menos claras proponho o seguinte: existir um documento que cada concorrente deverá preencher ANTES do inicio da primeira prova, onde declara sob compromisso de honra que está habilitado a concorrer naquele campeonato, bem como o irá realizar como concorrente em representação do clube X. Competirá posteriormente à respectiva federação confirmar a veracidade dos factos declarados.
Todos os outros serão participantes, ocasionais ou não.

É difícil? Acho que não, aliás tenho a certeza que não é! Haja vontade, que o trabalho é o mesmo.

Outro assunto importante (embora não seja mencionado no regulamento), é sem duvida a organização das séries e a pontuação para o campeonato.
O numero de concorrentes que realizam o campeonato deve ser equitativamente distribuído pelas séries (só assim se eliminam quaisquer injustiças relativas), e para os pontos do campeonato, apenas deverão contar aqueles que o estão a disputar, contando os lugares reais nas séries apenas para a classificação daquela prova.

É difícil? Acho que não, aliás tenho a certeza que não é!

Outro parâmetro que também penso ser consensual é o tipo de sorteio da ordem de entrada na prova. É desejável que este seja feito passo a passo, e depois dos juízes já se encontrarem no terreno.

É difícil? Acho que não, aliás tenho a certeza que não é!

Esta será a parte desportiva, a mais importante, o resto é logística, escolha dos terrenos e datas. Quanto a isso espero que impere o bom senso e sei que as pessoas que estão à frente das organizações irão pugnar para que tudo esteja ao nível que todos desejamos.

Resta-me desejar boa sorte a todos, concorrentes, juízes, organizações e esperar que este ano seja um ano exemplar, sem casos nem situações dúbias e que promova a modalidade ao nível que esta merece.

PS- Pessoalmente não irei participar como concorrente em qualquer campeonato, de qualquer federação, que não observe estas elementares regras. Para além de constarem do regulamento, apenas favorecem a verdade desportiva e a clareza de processos.