segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Politicamente (in)correcto - 18 (balanço de uma época)


Quando estamos a chegar ao fim da época, justifica-se fazer um balanço do que foi (para mim), o Santo Huberto em 2010.
Este ano fiz 29 provas, distribuídas por 6 distritos nacionais e Galiza, em Espanha.
A distância total percorrida rondou os 10.500Km, e o valor das inscrições ultrapassou os 1.000€. Não contabilizei a dormidas, nem as refeições, embora também tenham um peso importante.
Durante estes 8 meses tive a oportunidade de percorrer o país de lés a lés, conviver com as realidades de cada região e (o mais importante de tudo), fazer boas amizades. Será isso, porventura, aquilo que me leva a continuar por aqui. Isso, e o amor a uma modalidade que apesar de estar em expansão, continua a não ter em algumas organizações, o rigor e a atenção que merece. Já muita coisa melhorou (sem duvida), mas mais ainda haverá a melhorar. E, como eu costumo dizer: fazer bem as coisas, dá o mesmo trabalho!

Pontos positivos:
- Marcação dos calendários das provas regionais cedo, atempadamente e em tempo mais fresco.
- Sorteios das séries (na sua maioria), durante a prova e não antes de esta começar.
- Quantidade de concorrentes por prova.
- Divulgação das provas com antecedência e dos resultados após.
- Preços quase uniformizados e a rondar os 35€.

Pontos negativos:
- Marcação tardia das provas de apuramento para o Campeonato Nacional.
- Indefinição do mesmo calendário.
- Época do ano em que estão a decorrer as provas.
- A guerra FENCAÇA/CNCP, que parece um incêndio que está sempre a se reacender! (Já é tempo de nós dizermos BASTA!)
- Alguns (maus) terrenos postos à disposição dos concorrentes.
- Falta de rigor (e respeito pelos concorrentes), no cumprimento dos horários de algumas organizações.

Coisas houveram que melhoraram, outras que, sendo recorrentes, continuaram mal. E é com estas que eu não me conformo. E é por isso que continuarei a insistir até que me convençam que não vale a pena.
Acredito nos homens de boa fé. Acredito que há quem queira mudar e investir na modalidade. É preciso que os deixem trabalhar! É preciso que se deixem de baixas politicas que não interessam a ninguém. Nem à caça, nem aos caçadores e menos ainda a esta actividade.
Quando chegarem à conclusão que a Parte nunca é mais importante que o TODO, talvez possamos avançar, tendo credibilidade perante as instituições, patrocinadores e público em geral.

Eu também tenho um sonho... Seria um dia ver o Santo Huberto ser decidido e nas mãos daqueles que são os seus verdadeiros protagonistas. Daqueles que sentem na pele as dificuldades e têm de conviver com elas no dia a dia. Daqueles que não pertencem às guerras instituídas, nem têm de estar contra, por apenas e simplesmente terem de estar.
Sei que com este discurso posso estar a ferir susceptibilidades e até a arranjar algumas inimizades, mas se para as coisas avançarem for preciso isso, então: venham as balas, porque o peito tenho eu!

Por ultimo, quero desejar a melhor das sortes aqueles que vão disputar as finais da Taça, do Campeonato Nacional e do Mundo. Embora não vá estar presente como concorrente, estarei sempre como amigo e amante do Santo Huberto.

Abraço a todos!