domingo, 20 de março de 2016

V Troféu Dr. Arménio Lança, Valpaços - Resultados


A quinta edição do Troféu Dr. Arménio Lança decorreu durante o dia de ontem, em Valpaços. Trás-os-Montes, as suas gentes, a APBC, a FACIRC e a CNCP, mais uma vez fizeram questão de homenagear aquele que foi um dos principais precursores das provas de Santo Huberto em Portugal. E em boa hora o fizeram, pois a adesão dos concorrentes foi massiva.

 A organização conjunta da Associação Portuguêsa de Biodivercidade e Cinegética (APBC), nas pessoas do António Moreira e do André Chaves e da FACIRC, foi um sucesso! 



Desde logo pela forma como fomos todos acolhidos em Valpaços. A CM de Valpaços, que se juntou à organização e a Associação de Caçadores de Vilarandelo, através do seu staff, também não pouparam esforços para que tudo corresse da melhor forma possível. Quando o homem quer, a obra nasce! E foi precisamente isso que aconteceu.

Inscritos 35 concorrentes, provenientes das mais variadas zonas de Portugal e de Espanha. Ninguém se atemorizou com o mau tempo anunciado e que se fez notar na maior parte do dia.
Foram juízes da prova, José Pedro Leitão, Joaquim Rosa, Paulo Filipe, Fernando Fonseca e Sandra Esteves.
Formadas 4 séries e após o frugal pequeno almoço no recinto da Feira do Folar, deu-se a partida para os campos da prova. Estes, muito típicos daquela região, eram compostos por giestal, granito e lameiros. O tempo esteve instável, mas sem conseguir diminuír o entusiasmo dos presentes.
Passaram à barrage final os dois primeiros de cada série, sendo que havia uma barrage para os 1ºs e outra para os 2ºs. Assim, a classificação geral final ficou ordenada da seguinte forma:


1º Luís Delgado, BA
2º Mário Brito, PP
3º Sílvio Pires, P
4º Rui Vaz, SI
5º Rui Bonito, BF
6º Enrique de Castro
7º Paulo Fernandes, PP
8º Rui Moreira, BA


O almoço e a entrega de prémios tiveram lugar no Restaurante Bom Paladar, em Valpaços, onde a tradicional Posta à Mirandesa deliciou todos os presentes.

Tenho forçosamente de prestar uma singela homenagem à Associação Portuguêsa de Biodivercidade e Cinegética (APBC). Sendo uma Associação jovem, com um projecto para o nosso panorama cinegético inovador e com gente cheia de boas ideias, não teve receio de avançar para esta organização. Também a FACIRC soube aproveitar, emprestando o seu "know-how"  e dessa simbiose nasceu esta organização. Parabéns a todos!